29/10/2009

~Viver


Dizem que no final as coisas costumam ser difíceis... Eu diria que pra mim foi justamente o contrário, o início foi pior, foi mais complicado e até um pouco doído pra mim que tive que deixar a "ficha cair", abrir os meus olhos e vê que eu tinha gostos "diferentes" e asim tinha que ser.
Terapias, alguns remédios, o mesmo gosto.
Nada mudava, (talvez eu não quisesse que mudasse alguma coisa em mim), eu não estava doente, eu só estava vivendo, e em pouco tempo me dei conta de que além de vivendo, eu estava apaixonada.
A amizade, que foi o ponto de partida para tanto entendimento, começou a se esvair, conversas resolveram e converteram a situação. Passamos a namorar.
No início o namoro escondido, o medo e a adrenalina de descobrirem (O que vem a ser bom as vezes), se encontrar escondido, se beijar na rua embaixo de uma árvore jurando que ninguém estava vendo (quanta ingênuidade).
Com o passar do tempo, surgiram mentiras, mágoas, traições, términos e voltas consecutivas, com cada uma delas uma nova mágoa, um novo sentimento, um novo aprendizado, e o mais importante de tudo, o que sempre prevaleceu em meio as confusões foi o amor! Como esse é forte!
Não demorou muito para a nossa mentira cair diante de nossos olhos como um muro pesado, tentamos seguir na mesma direção mais o destino nos reservou caminhos opostos o que causou imenso sofrimento. Nove meses... Os nove meses mais tristes de minha vida, os nove meses que me ensinaram mais que os meus vinte anos. Voltei, nos reencontramos, voltamos.
Nove meses de espera, nove meses de mágoas, nove meses para serem conversados e resolvidos.
Conversamos, nos magoamos um pouco mais, juramos amor mais uma vez, tivemos mais alguns encontros e desencontros, mais algumas brigas e términos e um dia eu me dei conta de que não adianta a gente ficar se machucando, não adianta a gente ficar indo e vindo, por que a nossa vida vai ser sempre assim, ela nos desafia, ela nos une, quando pensamos que estamos seguros em qualquer lugar que seja ela nos põe em uma armadilha onde nos reencontramos.
Nesses quase 4 anos (sim, quase 4!) percebi que nós nos pertencemos, e que é assim que tem que ser. Não adianta tentarmos segurir por caminhos opostos, porque para existir o eu e o você tem que existir o nós.
E isso me alimenta!

Eu te amo!

4 Comentários:

Cintia disse...

Ahhh como eh bom reler essa historia mais uma vez, como eh prazeiroso ver algo tao puro, tao forte e tao sincero ser vivido entre dois seres que se completam. Parabens pelos 3 anos e 11 mes (sim quase 4!)

Eu desejo tudo que ha de mais maravilhoso no mundo a vcs, que esse amor seja eterno...

Eu nem preciso falar o qnt eu gosto de vcs, o qnt eu raaacho com vcs, e o qnt eu adoro vim no seu blog ne?!!
*
P
A
R
A
B
E
N
S
!

XOXO- infinito de gigante
kkkkkkkkkkkkkkk RACHEI(pra variar)

Anônimo disse...

Nem sei se você lê os comentários aqui,mas vc fez o que eu sugeri. Gostaria de te agradecer e dizer que ficou ótimo o texto. Viajei...rsrsrs
A minha história, diferente da sua, terminou. Mas dentro em mim o amor ficou, não se moveu nenhum centimetro. Por ela deixaria tudo, mas ela não teve coragem de enfrentar o mundo por nossa história. Ela ainda vive em mim, nos meus sonhos, pensamentos. Hoje sou metade,incompleta.
Vivo o desprazer, de fingir que estou vivendo.
Bem, mais é aqui que sempre me acho. Vlw linda, grande beijo!
sua fã e amiga, se assim puder me definir.

inaldo disse...

Que massa... adorei esse texto!! Parabéns pelos 3 anos e 11 meses é(sim quase 4!)[2]
Testemunha fiel desta historia de amor.

Anônimo disse...

Tô ansiosa pra lê mais textos, pq não postou mais aqui??? Vc agora tem fãs mocinha, tem que dá assistência.rsrsrs, Sério, escreve vai, ta demorando muito, para escrever. Beijos da sua fâ.

 
Lady Owl ©Template por 187 tons de frio. Resources:falermpiard e magg.