15/02/2011

~~Palavras de outrem.

"O sublime ao contrário se fez ali naquele exato instante. Um vazio, um não sentir, a morte não biológica, que se morre dentro da essência mais secreta e primordial de uma existência. Pois o amor, ou a crença convicta de que um amor se vive, tem o gosto de uma outra vida, eximida de todo vício, todo pecado, todo passado, intocável fora do encaixe dos corpos amantes. Quando morre, nos esquece vivos. 

A morte não é coisa para ser vivida...

Com ela se vai a fome, se vai o gosto, resta uma boca sem língua e estômago... E, para uma boca avulsa, tudo é pedra. Vive-se então como um imortal: o desafio é morrer. Morrer dessa mesma morte insuportavelmente viva. Que venha qualquer outra coisa, seja uma outra vida ou uma não existência."

___________________ Autor Desconhecido.





Dia sem cheiro, sem cor, sem nada.

| comente (:

Marina Mbrs disse...

que lindo! é tão verdade...

 
Lady Owl ©Template por 187 tons de frio. Resources:falermpiard e magg.